quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Em vídeo, Aécio diz que campanha do PT usou 'infâmia e mentira'


O candidato derrotado do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, afirmou em vídeo divulgado nesta quarta-feira (29) em sua página oficial no Facebook que a campanha do PT usou “infâmia e mentira” contra a candidatura dele ao longo da disputa pelo Palácio do Planalto.
No vídeo, com duração de aproximadamente dois minutos, o senador tucano diz que, desde o último domingo (26), tem recebido mensagens de internautas que manifestaram “enorme tristeza” com o resultado das urnas. Aécio perdeu a corrida presidencial por uma diferença de 3,4 milhões de votos para a candidata do PT, Dilma Rousseff.
Conforme os dados divulgados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o tucano obteve 51,04 milhões de votos (48,36%), enquanto Dilma obteve 54,5 milhões (51,64%).
“Nós temos que nos lembrar que disputamos uma eleição desigual, com o outro lado usando como nunca a máquina pública, a infâmia e a mentira contra nós. Mas aconteceu, e isso a gente não pode se esquecer, uma outra coisa extraordinária, que foi o Brasil acordando, as pessoas indo para as ruas querendo ser protagonistas da construção do seu próprio destino”, declarou o senador.
Na gravação, Aécio relembrou ainda uma declaração do candidato do PSB à Presidência Eduardo Campos: "Não vamos desistir do Brasil". A frase se tornou um dos lemas da campanha socialista após a morte do ex-governador de Pernambuco em um acidente aéreo em Santos (SP).

Tancredo
Aécio Neves também destacou que as ações do governo Dilma deverão ser fiscalizadas e os resultados, cobrados. Durante a gravação, ele ressaltou que estará “atento e vigilante” para que as promessas de campanha da presidente reeleita sejam cumpridas nos próximos quatro anos.
O senador do PSDB citou em meio à gravação seu avô Tancredo Neves, que se elegeu presidente da República por  meio de voto indireto, mas não chegou a tomar posse no cargo em razão de ter morrido antes de assumir o comando do país.
“Há 30 anos, Tancredo disse uma frase que ficou marcada na memória de milhões de brasileiros. Ele disse num momento único da vida nacional ‘não vamos nos dispersar’. E é isso que eu peço a cada um de vocês: não vamos desistir do Brasil e não vamos nos dispersar. A força que nós adquirimos é a força que vai levar o Brasil à verdadeira mudança”, concluiu.


Ministro Edison Lobão é chamado a explicar federalização da Celg


Os ministros Edison Lobão (esq) e Neri Geller (dir) foram convocados pela Comissão de Agricultura (Foto: Agência Brasil e Reprodução)

A Comissão de Agricultura da Câmara aprovou nesta quarta-feira (29/10) a convocação do ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, para que explique a venda de 51% das ações das Centrais Elétricas de Goiás (Celg) à Eletrobrás.

Para o autor do requerimento, deputado Ronaldo Caiado (DEM-GO), a federalização da companhia pode provocar prejuízos aos cofres públicos goiano e “impactar negativamente a distribuição de energia” no estado.

Caiado questiona o valor pago pelo governo federal para aquisição da companhia energética goiana. “O negócio, concluído de forma açodada, se depara com outro grave problema: o de avaliações muito divergentes feitas a respeito do patrimônio da Celg”.

Ele explica que “enquanto para a consultoria Delloite Brasil a empresa vale pífios R$ 400 milhões, estimativas feitas pela Universidade Federal de Goiás calculam o patrimônio da Celg em R$ 6,5 bilhões”.


Com a convocação, o ministro Edison Lobão é obrigado a comparecer à comissão em uma data a ser marcada. Os membros do colegiado aprovaram também requerimento para audiência pública com a participação do ministro da Agricultura, Neri Geller.

É para esclarecer a decisão do ministério de contratar o laboratório federal Lanagro, em Minas Gerais, para realizar as provas de controle de qualidade das vacinas contra a febre aftosa. Antes, o teste era feito no laboratório Gaúcho.

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

PT foi rejeitado por mais de 58 milhões de votos



Nesta eleição na qual o PT se saiu vencedor o PT foi rejeitado por 58.182.761 milhões de votos, contra os 54.501.118 milhões do PT,os votos contra o PT ,51.041.155 milhões votos de Aécio,   1.921.768 milhões votos branco e 5.219.484 milhões de votos nulos,neste caso mostra que a população cada vez mais rejeita o projeto de corrupção do PT.

Dia 13 de Novembro:: O Grande Encontro do Forró

domingo, 26 de outubro de 2014

Aécio sai das urnas líder da oposição


O candidato derrotado à Presidência da República, Aécio Neves (PSDB), discursa acompanhado de sua mulher e líderes partidários, em Minas

Com mais de 51 milhões de votos neste domingo, algo que não havia sido obtido por nenhum candidato que enfrentou o PT desde 2002, Aécio Neves (PSDB) retornará ao Senado como principal líder da oposição no país. Em um breve discurso, por volta das 21h20 deste domingo, o tucano deu sinais de que entendeu o recado que as urnas lhe transmitiram: "Saio desta eleição mais vivo do que nunca, mais sonhador do que nunca, e deixo esta campanha com o sentimento de que cumprimos nosso papel".
Nos últimos meses, Aécio conseguiu atrair apoios cruciais, como o da ex-senadora Marina Silva e do seu PSB, uniu seu partido e conseguiu uma votação acachapante justamente no Estado em que os tucanos imaginavam que ele teria dificuldade, dada a rivalidade das alas internas da sigla – o eleitorado de São Paulo deu 15,2 milhões de votos a Aécio.
Com 54 deputados federais eleitoes, o partido terá alinhado a ele no Congresso Nacional DEM, PSB, PPS, PV, PSC e SD, que, em 2015, junto com o PSDB, formarão bancada de 155 deputados federais.

No Senado, a oposição terá 24 das 81 cadeiras e contará com nomes de peso, além do  próprio Aécio, como os ex-governadores José Serra (PSDB-SP), Antonio Anastasia (PSDB-MG) e Tasso Jereissati (PSDB-CE), e os hoje deputados Romário (PSB-RJ) e Ronaldo Caiado (DEM-GO). “Vamos atuar com firmeza e combatendo tudo o que combatemos nessa campanha para que se afaste o fantasma da corrupção, dos desmandos, da desorganização que são típicos do governo petista", disse José Serra.


OMISSÃO: Mais de 7 milhões de votos nulos e brancos,ajudaram o PT a ganhar a eleição


Nesta eleição na qual o PT se saiu vencedor tem uma grande curiosidade, 7.141.252 milhões de votos dos  1.921.768 milhões votaram branco e 5.219.484 milhões de votaram nulos,sendo um grande números de eleitores que nesta eleição perdeu a oportunidade de exercer a cidadania e com isso deu a oportunidade de dar ao PT mais um mandato ,fazia parte do plano maquiavélico do  PT ,que fez uma campanha baixa ,na oportunidade é importante lembrar que para vencer o PT tem de ta todo o povo unido .

sábado, 25 de outubro de 2014

Artistas cantam música da campanha de Aécio

Dilma Manda Economista Fazer Senai Pronatec Para Ter Emprego

Virada:Aécio ultrapassa Dilma na pesquisa CNT/MDA


ch.jpg

O candidato à Presidência da República pelo PSDB, Aécio Neves, aparece à frente na pesquisa de intenção de voto CNT/MDA divulgada neste sábado (25). O tucano tem 50,3% dos votos válidos, contra 49,7% de Dilma Rousseff.

A pesquisa mostra uma inversão da tendência apresentada pelo instituto anteriormente. No último levantamento CNT/MDA, o tucano contava com 49,5% dos votos válidos, e Dilma 50,5%, com a petista em ascensão.

Agora, segundo o instituto, é Aécio quem mostra mais condições de vencer o pleito deste domingo (26).

A pesquisa foi realizada entre os dias 23 e 24 de outubro. Foram entrevistadas 2.002 pessoas de 137 municípios em 25 unidades da Federação.

Na votação total, Aécio aparece com 45,3% dos votos, contra 44,7% de Dilma. Brancos, nulos e indecisos somaram 10%.

A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais para mais ou para menos.


A pesquisa realizada entre 23 e 24 de outubro de 2014 e divulgada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT) foi registrada no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) sob o número BR - 01199/2014. Foram entrevistadas 2.002 pessoas de 137 municípios de 25 Unidades da Federação. A pesquisa tem margem de erro de 2,2 pontos percentuais.

Aécio vence rigorosamente todos os embates com Dilma nesta sexta; tucano faz na Globo o melhor debate da série, e Dilma, o pior


O último debate do segundo turno entre os candidatos a presidente Aécio Neves (PSDB) e Dilma Rousseff (PT), promovido pela Rede Globo no Projac, no Rio de Janeiro

Nunca antes na história desta eleição o tucano Aécio Neves tinha se saído tão bem num debate, e a petista Dilma Rousseff, tão mal. Ele é, nem petista pode negar, um debatedor mais competente do que ela, mas a desproporção jamais havia sido tão gritante. No encontro da Globo, Aécio foi melhor do que a média de Aécio, e Dilma, pior do que a média de Dilma. A presidente-candidata estava com o raciocínio confuso, mais do que de hábito, o discurso lhe saía truncado, as ideias, aos borbotões, sem um eixo organizador. Se é assim que ela pensa no dia a dia da administração, muita coisa se explica.
Dilma, a rigor, levou um direto no queixo logo no primeiro embate, ficou atordoada e não conseguiu mais se recuperar. O tucano abordou a reportagem publicada por VEJA, segundo a qual o doleiro Alberto Yussef confessou à Polícia Federal e ao Ministério Público que ela e Lula sabiam das lambanças ocorridas na Petrobras. O candidato do PSDB disse que daria a Dilma a chance de se explicar e perguntou: “A senhora sabia?” Dilma resolveu atacar a revista VEJA e anunciou que tomará decisões na Justiça. Na réplica, Aécio lamentou a resposta, criticou a sordidez dos ataques de que foi vítima e indagou se a adversária se orgulhava da campanha que fez. Dilma não respondeu; tartamudeou. O massacre se anunciava. Não vai aqui, acreditem, torcida ou juízo ditado por afinidades eletivas. Revejam o confronto. Dilma não conseguiu vencer um único embate.
Sobre a “questão VEJA”, uma nota rápida: neste sábado, outros grandes veículos de comunicação fazem relatos parecidos, alguns até com detalhes novos. A exemplo do que faz a revista, atribuem as informações a Alberto Youssef, fornecidas no curso da delação premiada. Dilma pretende processar todos eles ou tem especial predileção por VEJA?
Notem: acho que os petistas podem destacar aspectos virtuosos de sua gestão ao longo de 12 anos. Não estão no terceiro mandato, com chances reais de conquistar o quarto, porque só cometam equívocos. Por que, então, precisam apelar com tanta determinação ao que não aconteceu, atribuindo aos adversários o que não fizeram? Resposta: porque esse é e sempre foi o jogo de Lula; o jeito que ele tem de fazer política.
Dilma disse que FHC deixou como herança uma inflação maior do que a que herdou — é falso! Que o governo (de novo!) tucano proibiu a construção de escolas técnicas. É falso. Atribuiu ao PSDB a responsabilidade por Minas ser a segunda unidade da Federação mais endividada do país. É falso. A dívida é a segunda, mas a gestão do partido, que pegou o Estado quebrado, reduziu o endividamento em 37%. A presidente-candidata disse ainda que os tucanos não têm apreço pelo salário mínimo. É falso. Nas gestões FHC, o aumento real passou de 85%. Segundo Dilma, seus adversários são contra o Enem. Ocorre que ele foi criado na gestão Paulo Renato — ministro de Educação de FHC. A petista voltou a chamar as ETECs de São Paulo, nas quais se inspira o Pronatec, de escolas experimentais. Falso! São 217 escolas, com 221 mil alunos.
Dilma levou algumas invertidas inesperadas porque o adversário já conhecia a resposta e tinha planejado o contra-ataque. Aécio perguntou se ela continuava a achar José Dirceu um herói ou se considerava justa a punição que lhe foi aplicada. A presidente-candidata fez o que dela se esperava: devolveu com o que chama de “mensalão mineiro”. Coube ao tucano o arremate: um dos coordenadores da campanha da petista em Minas é Walfrido dos Mares Guia, peça-chave do que ela chama mensalão mineiro. Então Dilma acredita que esse tal crime aconteceu, mas chama seu principal organizador para a coordenação de sua candidatura em Minas?
O momento emblemático se deu no confronto sobre a corrupção. Um dos indecisos quis saber o que era preciso fazer para combatê-la. Cada candidato elencou as suas medidas e coisa e tal, mas Aécio partiu para a política: a mais eficaz das medidas, disse ele, é mesmo tirar o PT do poder.
Dilma perdeu feio até quando parecia que poderia ganhar. Quando se debate a questão das aposentadorias, Aécio afirmou que pretende criar um meio de acabar com o fator previdenciário. Mais uma vez, convidou Dilma para o corpo a corpo, e ela foi, afoita: afirmou que o dito-cujo foi criado no governo FHC. É verdade. E Aécio concordou. Só que ele lembrou que o Congresso aprovou o fim do fator, mas que Lula vetou. Xeque-mate.
Quantos votos o bom desempenho num debate muda ou conquista? Ninguém sabe. O fato é que Aécio está no segundo turno, contra a previsão de todos os institutos de pesquisa. E foi, sem dúvida, o melhor debatedor da jornada. Venceu o embate. Vamos ver agora o que acontece nas urnas. Para encerrar: o debate da Globo teve quase audiência de novela: 30 pontos. Foi um banquete para os indecisos.
Caso os principais institutos de pesquisa voltem a cometer erros gritantes, já dispõem de uma boa desculpa: foi o debate da Globo que mudou tudo!


Por Reinaldo Azevedo

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Aécio lidera com 9 pontos de vantagem sobre Dilma



Pesquisa ISTOÉ/Sensus realizada a partir da terça-feira 21 reafirma a liderança de Aécio Neves (PSDB) sobre a petista Dilma Rousseff nos últimos dias da disputa pela sucessão presidencial. Segundo o levantamento que entrevistou dois mil eleitores de 24 Estados, o tucano soma 54,6% dos votos válidos, contra 45,4% obtidos pela presidenta Dilma Rousseff. Uma diferença de 9,2 pontos percentuais, o que equivale a aproximadamente 12,8 milhões de votos. A pesquisa também constatou que a dois dias das eleições 11,9% do eleitorado ainda não decidiu em quem votar. “Como no primeiro turno, deverá haver uma grande movimentação do eleitor no próprio dia da votação”, afirma Ricardo Guedes, diretor do Instituto Sensus. Se for considerado o número total de votos, a pesquisa indica que Aécio conta com o apoio de 48,1% do eleitorado e a candidata do PT, 40%.
De acordo com Guedes, a pesquisa realizada em cinco regiões do País e em 136 municípios revela que o índice de rejeição à candidatura de Dilma Rousseff se mantém bastante elevado – 44,2% dos eleitores afirmaram que não votariam na presidenta de forma alguma. A rejeição contra o tucano Aécio Neves é de 33,7%. Segundo o diretor do Sensus, a taxa de rejeição pode indicar a capacidade de crescimento de cada um dos candidatos. Quanto maior a rejeição, menor a possibilidade de crescimento. Outro indicador apurado pela pesquisa Istoé/Sensus diz respeito à votação espontânea, quando nenhum nome é apresentado para o entrevistado. Nessa situação, Aécio também está à frente de Dilma, embora a petista esteja ocupando a Presidência da República desde janeiro de 2011. O tucano é citado espontaneamente por 47,8% dos eleitores e a petista, por 39,4%; 0,2% citou outros nomes e 12,8% disseram estar indecisos ou dispostos a votar em branco.
Para conquistar os indecisos, as duas campanhas apostam as últimas fichas nos principais colégios eleitorais do País: São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro. O objetivo do PSDB é ampliar a vantagem obtida em São Paulo no primeiro turno e procurar virar o jogo em Minas e no Rio. Em São Paulo, Aécio intensificou a campanha de rua, com a participação constante do governador reeleito, Geraldo Alckmin, e do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. De acordo com as pesquisas realizadas pelo comando da campanha de Aécio, em Minas o tucano já estaria na frente de Dilma e a vantagem veio aumentando dia a dia na última semana. Processo semelhante ocorreu em Pernambuco, depois de Aécio receber o apoio explícito da família de Eduardo Campos e do governador eleito, Paulo Câmara. Os mesmos levantamentos indicam que no Rio a candidatura do senador mineiro vem crescendo, mas ainda não ultrapassou a presidenta. Para reverter esse quadro, Aécio aposta no apoio de lideranças locais, basicamente de Romário, senador eleito pelo PSB, que deverá acompanhá-lo nos últimos atos de campanha. Para consolidar a liderança, Aécio tem usado os programas no horário eleitoral gratuito para apresentar-se ao eleitor como o candidato da mudança contra o PT. Isso porque as pesquisas internas mostram que a maior parte do eleitor brasileiro se manifesta com o desejo de tirar o partido do governo

No comando petista, embora não haja um consenso sobre qual a melhor opção a ser colocada em prática nos dois últimos dias de campanha, a ordem inicial é a de continuar a apostar na estratégia de desconstrução do adversário. Nas duas últimas semanas, o que se constatou é que, em vez de usar parlamentares eleitos para esse tipo de ação – como costumava fazer o partido em eleições passadas –, os petistas escalaram suas principais lideranças para a missão, inclusive o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a própria candidata. Os petistas apostam no problema da falta d’água para tirar votos de Aécio em São Paulo e numa maior presença de Dilma em Minas para procurar se manter à frente do tucano no Estado.

02.jpg

Dilma Rousseff não deve ser eleita. Eleita não deve tomar posse


CAPA VEJA SABIA DE TUDO

Aquilo que os petistas tanto temiam desde o começo aconteceu: a operação Lava Jato bateu em Luiz Inácio Lula da Silva, ex-presidente da República, e em Dilma Roussef, Eles sabiam da roubalheira vigente na Petrobras. É o que o doleiro Alberto Youssef assegurou à Polícia Federal e ao Ministério Público no curso do processo de delação premiada. Está na capa da VEJA, que começa a circular daqui a pouco. Eis a imagem. Volto em seguida
Eu poderia engatar aqui aquela máxima de Carlos Lacerda sobre Getúlio Vargas, só para excitar a imaginação de Lula, trocando a personagem. Ficaria assim: “A Sra. Dilma Rousseff não deve ser eleita. Eleita não deve tomar posse. Empossada, devemos recorrer à revolução para impedi-la de governar.”

Em vídeo, Neymar declara apoio a Aécio Neves


Neymar grava vídeo de apoio à candidatura de Aécio


Depois de Neymar ter uma imagem manipulada em que aparecia segurando uma placa declarando apoio a Dilma Roussef – quando na verdade Neymar apenas escrevera uma mensgaem de aniversário para o filho –, o atacante capitão da seleção brasileira e artilheiro do Barcelona divulgou um vídeo na noite desta quinta-feira em que declara apoio ao candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves. O apoio de Neymar é mais um conquistado por Aécio no mundo do futebol. Além do craque do Barça, Romário, Bebeto e Ronaldo, entre outros, divulgaram apoio ao tucano. 

Dilma e Lula sabiam de tudo, diz Alberto Youssef à PF


Capa - Edição 2397

Na última terça-feira, o doleiro Alberto Youssef entrou na sala de interrogatórios da Polícia Federal em Curitiba para prestar mais um depoimento em seu processo de delação premiada. Como faz desde o dia 29 de setembro, sentou-se ao lado de seu advogado, pôs os braços sobre a mesa, olhou para a câmera posicionada à sua frente e se colocou à disposição das autoridades para contar tudo o que fez, viu e ouviu enquanto comandou um esquema de lavagem de dinheiro suspeito de movimentar 10 bilhões de reais. A temporada na cadeia produziu mudanças profundas em Youssef. Encarcerado desde março, o doleiro está bem mais magro, tem o rosto pálido, o cabelo raspado e não cultiva mais a barba. O estado de espírito também é outro. Antes afeito às sombras e ao silêncio, Youssef mostra desassombro para denunciar, apontar e distribuir responsabilidades na camarilha que assaltou durante quase uma década os cofres da Petrobras. Com a autoridade de quem atuava como o banco clandestino do esquema, ele adicionou novos personagens à trama criminosa, que agora atinge o topo da República. Perguntado sobre o nível de comprometimento de autoridades no esquema de corrupção na Petrobras, o doleiro foi taxativo:
— O Planalto sabia de tudo!
— Mas quem no Planalto?, perguntou o delegado.
— Lula e Dilma, respondeu o doleiro.
Conheça, nesta edição de VEJA, os detalhes do depoimento que Alberto Youssef prestou às autoridades.


quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Ato pelo fim da corrupção e em apoio à candidatura de Aécio Neves reúne milhares em SP


ato-aecio3.jpg

Milhares de pessoas se reuniram na noite desta quarta-feira no Largo da Batata, no bairro de Pinheiros, uma das regiões mais populares de São Paulo, em uma manifestação contra a onda de corrupção que assola o País.

Os manifestantes pediam mudanças no governo e apoiavam o candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves. Com cartazes, bandeiras do Brasil e muitos adesivos em alusão à campanha do tucano, uma gama variada de paulistanos ouviu o discurso do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

 "A classe média e a classe trabalhadora querem a mudança", afirmou FHC. "A mudança não se faz apenas com pessoas jovens. Eu, por exemplo, tenho 83 anos e continuo trabalhando para mudar este país."

"Eu estou cansado de ouvir mentiras sobre o meu governo", completou o ex-presidente.

“Esse foi um movimento espontâneo, das ruas, nós não organizamos nada, foi tudo feito pelas redes sociais, exatamente no mesmo espírito dos protestos de junho de 2013”, disseo ex-coordenador da campanha de Marina Silva, o deputado federal Walter Feldman (PSB-SP).

O ex-jogador de futebol Ronaldo também marcou presença. "Venho aqui para me juntar a vocês e pedir nada mais do que mudanças", falou à multidão.

A cantora Wanessa Camargo, presente no evento, afirmou: "Estou aqui como cidadã e como mãe, pela mudança de que o Brasil precisa."

O deputado federal Paulinho da Força (SDD-SP) criticou duramente a administração federal. "Vamos tirar essa bandida do poder", conclamou, em referência à presidenta Dilma Rousseff.

Durante o dia, tanto FHC quanto o próprio Aécio gravaram vídeos, divulgados no Whatsapp, convocando para a manifestação, que ocorre em outras 14 cidades brasileiras na noite desta quarta-feira.

De acordo com informações da própria campanha de Aécio, atos semelhantes ocorrem em Brasília, no Rio, Belo Horizonte, Fortaleza, Recife e Teresina. Paulinho da Força, um dos organizadores da manifestação, afirmou que se trata de um “movimento cívico em defesa do Brasil”.

Depois dos discursos, os manifestantes se dirigiram pacificamente, em caminhada, até a Avenida Nove de Julho.Fonte: http://www.istoe.com.br/

Fundadora do PT passa a apoiar Aécio Neves


EM160620100866.jpg

Fundadora e estrela de primeira grandeza do PT até 2010, Sandra Starling revelou em artigo divulgado nesta quarta-feira que seu voto para presidente será de Aécio Neves, do PSDB. “Meu voto é um veto ao voto em Dilma”, diz a ex-deputada que chegou a ser líder do Partido na Câmara. “O PT se julgou a consciência política do Brasil, mas é tão corrupto quanto os demais”, afirmou.

Sandra Starling foi uma das principais lideranças do PT em Minas Gerais, sendo a primeira candidata da legenda a disputar o governo do Estado, em 1982. No primeiro mandato de Lula (2003 e 2006) ocupou a secretaria executiva do Ministério do Trabalho. A decisão de apoiar o tucano Aécio Neves se deu depois que soube da “censura” imposta pela presidenta Dilma Rousseff  ao IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada). 

Segundo a ex-líder do PT, os dados levantados pelo IPEA mostrariam que a “desigualdade social no Brasil não diminuiu. “Não dá para continuar acreditando nas mentiras que a presidenta Dilma vem contando”, afirmou. “Votar em Dilma seria exercer o direito de ser idiota”.

Sandra Starling não é a primeira fundadora do PT que se rebela contra os rumos tomados pela legenda desde que chegou ao poder em janeiro de 2003.

O jurista Hélio Bicudo, que chegou a ser vice na chapa de Lula em 1982, quando o ex-presidente disputou ao governo paulista, e foi vice-prefeito de São Paulo na gestão de Marta Suplicy, também tem feito sérias críticas ao PT e a forma como o partido vem se portando no governo federal. “Se Dilma vencer a democracia estará em jogo”, chegou a dizer o jurista em 2010. Homem de história comprometida com a ética e com a defesa dos Direitos Humanos, Bicudo deixou o PT em 2005, logo depois do escândalo do Mensalão.

Aécio leva Marina e viúva de Campos à TV contra pancadaria do PT


O candidato à Presidência Aécio Neves (PSDB) e a candidata derrotada no primeiro turno Marina Silva (Rede), concedem entrevista em São Paulo

Bombardeado desde o último final de semana por ataques pessoais feitos pelo PT, o candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, fez um longo depoimento em seu programa eleitoral na TV apontando "a onda de calúnias" propaladas contra ele na reta final da eleição. O tucano exibiu mensagens de apoio da ex-senadora Marina Silva (PSB), derrotada no primeiro turno, e de Renata Campos, viúva do ex-governador Eduardo Campos, morto numa tragédia aérea em agosto.

Marina afirmou que foi vítima na primeira etapa da eleição dos ataques feitos pela campanha da presidente-candidata Dilma Rousseff que agora se repetem contra o tucano. "Eduardo Campos e eu fomos vítimas da mesma estratégia destrutiva que agora é usada contra Aécio", disse. "Não se deixem intimidar pela campanha que a candidata Dilma está fazendo", completou. Na sequência, Renata Campos também deixou mensagem afirmando que Aécio "não representa um partido, mas um conjunto de forças que se juntaram no segundo turno".
Aécio lembrou a artilharia desferida pelo PT a Eduardo Campos e afirmou que "as mesmas pessoas que chamaram Eduardo Campos de playboy agora dizem o mesmo sobre ele". Foi um recado direto ao ex-presidente Lula, que tem capitaneado a onda de baixarias em comícios pelo país – algo lamentável para um ex-presidente da República. Além de chamar o tucano de "playboy", Lula tem dito que o tucano é violento com mulheres: "Fui acusado de comportamento criminoso, de ser desrespeitoso com as mulheres, uma ofensa à minha esposa e à minha filha".
O tucano ainda citou o terrorismo eleitoral feito pelo PT, que desde o início da campanha espalha o discurso do medo, segundo o qual programas como o Bolsa Família e o Minha Casa, Minha Vida serão encerrados se o PT deixar o poder e bancos públicos serão privatizados. "Não podemos ter medo do PT. Eu não tenho medo do PT", disse.


quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Defesa de doleiro diz que 'laranja' mentiu ao citar propina ao PSDB


Crime perfeito: em depoimentos à Polícia Federal e ao Ministério Público, o doleiro Alberto Youssef relatou que as “doações legais” das empreiteiras foram a fórmula criada para esconder a propina

A defesa do doleiro Alberto Youssef, pivô do megaesquema de lavagem de dinheiro desmontado na Operação Lava Jato, afirmou que vai apresentar nesta quarta feira à Justiça Federal em Curitiba (PR) um pedido de impugnação do depoimento de Leonardo Meirelles, o "testa de ferro" do doleiro em negócios. Em depoimento à Justiça na segunda-feira, Meirelles afirmou que Youssef tinha negócios com o PSDB e com o ex-presidente do partido Sérgio Guerra (PE), morto em março deste ano.

O tema foi explorado pela presidente-candidata Dilma Rousseff (PT) para atacar o adversário tucano, Aécio Neves, em debates na televisão.
O advogado Antônio Figueiredo Basto, que defende Youssef, também informou que solicitará uma acareação entre os dois réus. "Meu cliente afirma peremptoriamente que nunca falou comSérgio Guerra, nunca teve negócios com ele e nunca trabalhou para o PSDB", disse Basto. "Estamos pedindo uma impugnação do depoimento do Leonardo e uma acareação entre eles", completou.
Segundo a Operação Lava Jato da Polícia Federal, Meirelles era o laranja do doleiro no comando do laboratório Labogen, uma fábrica de remédios falida usada por Youssef para obter contratos milionários com o Ministério da Saúde, na gestão do então ministro da Saúde Alexandre Padilha – a pasta diz que o contrato não assinado. O negócio firmado entre o Ministério e o doleiro havia sido intermediado pelo deputado federal André Vargas.

(Com Estadão Conteúdo)

Romário vai apoiar Aécio Neves


Romário:apoio no segundo turno

Depois de muitas negociações e recuos, Romário finalmente decidiu apoiar Aécio Neves. Ontem, os dois selaram o acordo.
Romário gravou hoje em Brasília, sem alarde, um depoimento que será exibido amanhã à noite, no programa de TV do tucano.
Romário, eleito senador com 4,6 milhões de votos no Rio de Janeiro, é visto na campanha de Aécio como um trunfo para a busca de votos nestes últimos dias no terceiro maior colégio eleitoral do Brasil.

Por Lauro Jardim

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Aécio tem 53,2% contra 46,8% de Dilma, mostra pesquisa do instituto Veritá

Aécio tem 53,2% contra 46,8% de Dilma, mostra pesquisa do instituto Veritá

O senador Aécio Neves (PSDB) seria eleito presidente da República com 53,2% dos votos válidos, caso a eleição fosse hoje. É o que diz pesquisa do instituto Veritá, encomendada pelo jornal Hoje em Dia. A presidente Dilma Rousseff (PT) não seria reeleita pois conta com 46,8% da preferência do eleitor.

A pesquisa foi realizada entre os dias 17 de outubro e ontem e a margem de erro é de 1,4 pontos percentuais para mais ou para menos. O levantamento descarta o empate técnico, já que no pior cenário de Aécio e no melhor de Dilma, o tucano continua à frente. 
Se forem considerados os votos totais, o senador Aécio Neves teria 47% das intenções de voto. Dilma aparece com 41,4%. Os indecisos somam 7,8% e outros 3,7% votariam em branco ou nulo.
Rejeição
De acordo com o Veritá, a rejeição da presidente Dilma é maior que a do senador. O índice de rejeição dela é de 46,1% dos eleitores. Já 39,1% dos entrevistados afirmaram que não votariam de jeito nenhum em Aécio Neves.
O instituto também perguntou quem os entrevistados acreditam que será eleito o próximo presidente da República, no dia 26 deste mês. Para 56%, o senador tucano vencerá a disputa. Os outros 44% acreditam que a petista sairá vitoriosa. 
A amostragem da pesquisa é 7.700 eleitores em 213 cidades de todos os Estados brasileiros. Ela foi registrada com o número 01144/2014 no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O nível de confiança é de 95%.


sábado, 18 de outubro de 2014

Confira quem é o candidato mais mentiroso a Presidente

IEpag36a41_Verdades-Mentiras-3.jpg

Porto Alegre:Aécio recebeu documentos com denúncias contra familiares de Dilma


Enfrentamento pesado

O pugilato verbal entre Aécio Neves e Dilma Rousseff vai continuar amanhã no debate da Record? Talvez dependa de quem atirar primeiro. No caso de Aécio Neves, se Dilma partir para cima com relação a assuntos pessoais, o tucano pode responder na mesma moeda.

Ao lado de Marina, Aécio diz: 'Disputa política não é guerra'


O candidato à Presidência Aécio Neves (PSDB) e a candidata derrotada no primeiro turno Marina Silva (Rede), concedem entrevista em São Paulo

O candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, e a candidata derrotada do PSB, Marina Silva, realizaram nesta sexta-feira seu primeiro encontro oficial depois da ex-senadora declarar apoio ao tucano no segundo turno. E o clima não poderia ser melhor: a união foi selada com direito a troca de abraços e elogios. Membros do PSDB e PSB faziam fila para cumprimentar a dupla – uma cena que emprestou ao evento político ares de casamento. Ao lado da nova aliada, Aécio afirmou que a aliança é exemplo de uma "nova prática política". "O que nós assistimos na política é o oposto disso. São entendimentos em torno de cargos, entendimentos em torno de vantagens, conveniências", afirmou o tucano. Criticou ainda os ataques pessoais proferidos pela presidente Dilma Rousseff (PT) no debate de quinta-feira e prometeu reagir a "todas as calúnias". "Faço convocação a Dilma para um debate programático. Disputa política não é guerra, não pode ser um vale-tudo. Ninguém destrói alguém e vence".
Já Marina, que abandonou o tradicional coque para o evento, classificou o compromisso que Aécio formou com os brasileiros como "corajoso", dizendo que ele soube interpretar "o que está acontecendo neste país nos últimos vinte anos". "Aécio teve coragem de apresentar, doze anos depois, uma carta-compromisso aos brasileiros, indicando que vai resgatar os compromissos com política macroeconômica, que estão sendo terrivelmente prejudicados com juros altos, inflação alta e baixíssimo crescimento e pouco investimento no nosso país. O compromisso de que vai manter as políticas sociais e aperfeiçoá-las", disse Marina. Ela afirmou ainda que Aécio deve vencer as eleições "ganhando", já que não fez alianças sem compromissos.
Aécio evitou abordar o papel que caberia a Marina em um eventual governo tucano, dizendo que tratar do assunto "seria uma forma de desrespeito" à ex-senadora. "A Marina traz um simbolismo muito grande. Eu vejo através do abraço e do beijo carinhoso que recebi da Marina, o abraço e o beijo carinhoso de milhões de brasileiros que querem mudar esse país. São esses brasileiros que eu defendo a partir de agora", disse, acrescentando que Marina não faz qualquer tipo de exigência para apoiá-lo.


Aécio Neves abre vantagem de 13 pontos sobre Dilma Rousseff


Aecio Neves

Exame
Pesquisa do instituto Sensus divulgada nesta sexta-feira mostrou o candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, com grande vantagem sobre a presidente Dilma Rousseff, que tenta a reeleição pelo PT.
Segundo o levantamento, divulgado no site da revista Isto É, Aécio tem 56,4 por cento dos votos válidos (que excluem brancos, nulos e indecisos), contra 43,6 por cento de Dilma.

Empreiteiras repassaram dinheiro desviado da Petrobras para a campanha presidencial do PT em 2010


Crime perfeito: em depoimentos à Polícia Federal e ao Ministério Público, o doleiro Alberto Youssef relatou que as “doações legais” das empreiteiras foram a fórmula criada para esconder a propina

Antes de qualquer coisa, fique registrado que a presidente Dilma Rousseff dá como verdade o que Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, vem revelando à Justiça em seu processo de delação premiada. Também estejamos todos de acordo que a presidente aceita como verdadeiras as notícias publicadas pela imprensa sobre o escândalo do petrolão. Foi com base no que leu sobre um depoimento de Paulo Roberto Costa no UOL, o site noticioso da Folha de S.Paulo, que ela fez a seguinte afirmação diante de milhões de brasileiros que assistiam pelo SBT ao seu debate com Aécio Neves na semana passada:

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Corrupção e ataques pessoais marcam debate agressivo e Dilma passa mal


Debate SBT

Se até agora, a aposta de Dilma Rousseff (PT) foi na tentativa de desconstrução do gestor Aécio Neves (PSDB), no debate promovido por SBT/UOL/Jovem Pan, a presidente-candidata buscou atingir o caráter do tucano. O ápice da estratégia petista ficou claro no terceiro bloco, quando Dilma sacou uma pergunta sobre a Lei Seca no trânsito, cujo verdadeiro objetivo era lembrar o episódio em que Aécio recusou-se a fazer o teste do bafômetro durante uma blitz no Rio de Janeiro. O tiro saiu pela culatra: Aécio respondeu dizendo que ela "poderia ter sido direta" e ele mesmo mencionou o episódio. Na sequência, acusou Dilma de rebaixar o nível do debate.

Aécio: 'Parece que Dilma quer disputar governo de Minas'


 O candidato à Presidência da República, Aécio Neves (PSDB), durante coletiva de imprensa em São Paulo


Horas antes do segundo debate deste segundo turno, o candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, voltou nesta quinta-feira a criticar a obsessão da presidente Dilma Rousseff (PT) em desqualificar sua gestão como governador de Minas Gerais. "Até parece que ela quer disputar o governo de Minas e não a Presidência da República", afirmou o tucano. Ele ainda acusou ainda a petista de "distorcer" os números sobre sua administração.

Desorientada, Dilma interrompe entrevista após debate


A presidente Dilma Rousseff diz ter se sentido mal após debate no SBT

Em entrevista ao vivo logo após o debate do SBT nesta quinta-feira, a presidente-candidata Dilma Rousseff (PT) perdeu o rumo ao falar sobre o duríssimo embate com Aécio Neves, candidato do PSDB à Presidência. Ao responder a pergunta da repórter Simone Queiroz, Dilma gaguejou ao tentar dizer a palavra "inequívoco", se enrolou e pediu para recomeçar a entrevista, momento em que foi avisada que estava ao vivo. Ela tentou retomar o discurso, mas em seguida alegou ter sentido uma queda de pressão e foi conduzida até uma cadeira próxima. "A presidente está passando mal aqui", disse a repórter, assustada.

Em menos de dois anos, 25 policiais militares já foram mortos no Maranhão


Enterro do soldado Clenildo Souza, PM morto na Feira da Liberdade durante um assalto em setembro deste ano

A violência aumenta em todo país, principalmente no Maranhão. E o número de policiais mortos vem crescendo ao longo dos últimos dois anos.
Nesta quarta-feira (15), mais um policial militar foi assassinado na Grande São Luís. Fredson de Jesus Mendes, foi morto a tiros no fim da tarde no bairro da Matinha, em São José de Ribamar.

Prefeito de Trizidela do Vale deixa Roseana Sarney constrangida


Roseana Sarney em reunião com deputados, prefeitos e lideranças na casa do Calhau

Do blog Luís Pablo
O prefeito de Trizidela do Vale, Fred Maia, deixou a governadora do Maranhão, Roseana Sarney, constrangida durante almoço pró-Dilma realizado hoje, dia 16, na casa do senador José Sarney, no bairro do Calhau, em São Luís-MA.
Durante o discurso do senador João Alberto, o prefeito interrompeu e disse: “cadê o dinheiro senador e governadora? Como vamos fazer campanha para Dilma sem dinheiro?”.
Constrangido, o senador respondeu: “Calma, Fred. A Dilma deu aos prefeitos máquinas, escolas, entre outras coisas. Agora chegou a hora de devolver”.

domingo, 12 de outubro de 2014

Edinho Lobão detona Roseana: “Eu fiz uma campanha sozinho…faltou apoio do governo”


 Edinho Lobão


De forma serena, o senador Lobão Filho (PMDB), recebeu a reportagem de O Imparcial esta semana para falar do resultado final das urnas no Maranhão. Em primeiro lugar, ele afirma que não é possível dizer que ele saiu derrotado das urnas, afinal ele recebeu um milhão de votos, segundo ele, os quais são exclusivamente dele, pois lhe faltaram diversos apoios, principalmente do governo, que acabou não se tornando parceiro, por conta de problemas internos.

Marina Silva se posiciona e apoia Aécio Neves no segundo turno


         


Marina Silva (PSB) declarou apoio ao candidato Aécio Neves (PSDB) no segundo turno das eleições presidenciais de 2014. O anúncio foi feito em uma entrevista coletiva na manhã deste domingo. Marina assumiu a corrida eleitoral pelo PSB após a morte de Eduardo Campos e terminou em terceiro lugar no primeiro turno.

sábado, 11 de outubro de 2014

Professores apresentam rede de conservação da Baixada Maranhense na Uema



Alunos do Curso de Biologia da Universidade Estadual do Maranhão (Uema) participaram, nesta sexta-feira (10), no Centro de Educação, Ciências Exatas e Naturais (Cecen), em São Luís, de uma mesa redonda sobre a importância do Rebax para a conservação dos campos inundáveis, que faz parte da IX Mostra Acadêmico-Científica e Cultural em Ciências Biológicas (MAACBIO). 

Murad X Cutrim: Disputa pelo TCE




Depois de ser defenestrado do poder pelo povo do Maranhão, o grupo Sarney teme ficar sem o controle do Tribunal de Contas do Estado. A principal preocupada é a governadora Roseana que vai ficar sem foro privilegiado a partir de Janeiro. Teme que contas de seu governo sejam rejeitadas. Como o presidente do TCE é Edmar Cutrim, que rompeu com o grupo na reta final do primeiro turno, esse temor aumenta.

Justiça em Olinda Nova determina que Estado recupere MA-014



O Poder Judiciário em Olinda Nova do Maranhão acatou o pedido de Ministério Público no sentido de obrigar o Estado do Maranhão a realizar as obras necessárias à recuperação da Rodovia MA-014, no trecho que liga os municípios de Vitória do Mearim ao entroncamento Três Marias. As obras requeridas são de recuperação e adequação da MA-014 às normas de trânsito, inclusive sinalizando a rodovia, de acordo com as normas do Código de Trânsito Brasileiro e do CONTRAN.

Mensagem de Ricardo Rios aos seus eleitores


Aceitei o desafio de me candidatar pela PRIMEIRA VEZ a deputado estadual do Maranhão.
E hoje tenho o prazer em agradecer aos 38.575 maranhenses que depositaram em mim sua confiança.
Agradeço de forma especial as lideranças e os amigos que acreditaram nesse projeto.
E VEM AI UM MARANHÃO DE NOVAS CONQUISTAS!

Aécio dispara e abre 17 pontos de vantagem sobre Dilma, mostra pesquisa Istoé/Sensus


aécio flavio

IstoÉ
Primeira pesquisa ISTOÉ\Sensus realizada depois do primeiro turno da sucessão presidencial mostra o candidato Aécio Neves (PSDB) com 58,8% dos votos válidos e a petista Dilma Rousseff com 41,2%. Uma diferença de 17,6 pontos percentuais. O levantamento feito entre a quarta-feira 7 e o sábado 10 é o primeiro a captar parte dos efeitos provocados pelas revelações feitas pelo ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa sobre o detalhamento do esquema de corrupção na estatal. “Além do crescimento da candidatura de Aécio Neves, observa-se um forte aumento na rejeição da presidenta Dilma Rousseff”, afirma Ricardo Guedes, diretor do Instituto Sensus. Segundo a pesquisa, o índice de eleitores que afirmam não votar em Dilma de forma alguma é de 46,3%. A rejeição de Aécio Neves é de 29,2%. “O tamanho da rejeição à candidatura de Dilma, torna praticamente impossível a reeleição da presidenta”, diz Guedes. A pesquisa também capta, segundo o diretor do Sensus, os apoios políticos que Aécio recebeu durante a semana, entre eles o do PSB, PV e PPS.

As 2000 entrevistas feitas em 24 Estados e 136 municípios mostra que houve uma migração do eleitorado à candidatura tucana mais rápida do que as manifestações oficiais dos líderes políticos. No levantamento sobre o total dos votos, Aécio soma 52,4%, Dilma 36,7% e os indecisos, brancos e nulos são 11%, tudo com margem de erro de 2,2% e índice de confiança de 95%. Nos votos espontâneos, quando nenhum nome é apresentado ao eleitor, Aécio soma 52,1%, Dilma fica 35,4% e os indecisos são 12,6%. “A analise de todos esses dados permite afirmar que onda a favor de Aécio detectada nas duas semanas que antecederam o primeiro turno continua muito forte”, diz Guedes. O tucano, segundo a pesquisa ISTOÉ\Sensus, vence em todas as regiões do País, menos no Nordeste. No PSDB, a espectativa é a de que a diferença a favor de Dilma no Nordeste caia nas próximas pesquisas, principalmente em Pernambuco, na Bahia e no Ceará. Em Pernambuco devido o engajamento da família de Eduardo Campos na campanha, oficializado na manhã do sábado 10. Na Bahia em função da presença mais forte do prefeito de Salvador, ACM Neto, no palanque tucano. E, no Ceará, com a participação do senador eleito Tasso Jereissati.
Além da vantagem regional, Aécio, de acordo com o levantamento, supera Dilma em todas as categorias socioeconômicas, o que, segudo a análise de Guedes, indica que a estratégia petista de apostar na divisão do País entre pobres e ricos não tem dado resultado.
PESQUISA ISTOÉ|Sensus
Realização – Sensus
Registro na Justiça Eleitoral – BR-01076/2014
Entrevistas – 2.000, em cinco regiões, 24 Estados e 136 municípios do País
Metodologia – Cotas para sexo, idade, escolaridade, renda e urbano e rural
Campo – de 07 a 10 de Outubro de 2014
Margem de erro – +/- 2,2%
Confiança – 95%


sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Com Marcelo Tavares, Flávio Dino acena para diálogo na transição


 Tavares: serenidade na transição

O governador eleito Flávio dino confirmou hoje o deputado Marcelo Tavares (PSB) como coordenador da equipe de transição. Ele também será o chefe da Casa Civil no futuro governo.
A confirmação de Tavares pelo próprio Dino é mais um gesto do futuro governador na busca do diálogo, apesar do açodamento de alguns dos seus neste momento pós-eleição.

Os erros de Dilma no Maranhão

Lobão foi fiel e manteve apoio apenas à Presidente Dilma
Do blog de Ronaldo Rocha
O Partido dos Trabalhadores (PT) saiu desta eleição, no Maranhão, menor do que entrou. E a culpa é da presidente Dilma e de toda a cúpula nacional. Explico.

Ibope também mostra liderança de Aécio Neves


aecio-com-flavio-dino-

Aécio Neves (PSDB) tem 46% das intenções de voto ante 44% da presidente Dilma Rousseff (PT), aponta pesquisa Ibope divulgada nesta quinta-feira (9). Como a margem de erro da pesquisa e de dois pontos percentuais, o resultado significa empate técnico.
Em votos válidos, quando são excluídos os votos brancos e nulos e dos eleitores que indecisos, Aécio registra 51% contra 49% de Dilma.  O levantamento foi encomendado pela TV Globo e o jornal O Estado de São Paulo.

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Aécio recebe apoio do PSB e repete lema de Eduardo Campos: 'Não vamos desistir do Brasil'


 O candidato à Presidência da República, Aécio Neves (PSDB), se encontra com a Executiva Nacional do PSB, em Brasília

Candidato à presidência pelo PSDB, Aécio Neves compareceu à sede do PSB na noite desta quarta-feira para sacramentar a aliança com o partido no segundo turno das eleições. Em discurso, o tucano ressaltou que a união expressa o sentimento de mudança da população brasileira e, em busca de se aproximar da nova legenda, evocou Eduardo Campos, morto em agosto em acidente aéreo: “Hoje eu me preencho com sonhos, lembranças extremamente marcantes para mim. E é por isso que eu quero encerrar essas minhas palavras dizendo: ‘Nós não vamos desistir do Brasil’”, afirmou.